André Marques, o próprio.

André Marques, o próprio.
André Marques, o próprio.

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Recordações

E é quando oiço aquele disco que te sinto próximo. Aquela música envolvente que nos marcou para sempre. E por mais que volte a ouvi-la, não consigo esquecer todos os momentos que passámos juntos. Impensável. O sentir de todas as repetições. O voltar atrás que agora só é possível através das memórias inseridas numa balada ensurdecedora capaz de me levar à loucura. Porque também há baladas ruidosas, daquelas que nos remetem ao passado. Mas fico feliz. Toco-te através da letra, e lembro-me de quando sorriamos. Sinto-te através do instrumental, e lembro-me de quando nos beijávamos. A música tem este poder. Um poder soberano sobre as pessoas. Exerce o temperamento do retorno, e embora não te traga de volta, é através dela que te sinto próximo. Mais uma vez. E basta de recordações.



Sem comentários:

Enviar um comentário

Google+ Followers